O nosso site funciona plenamente sem JavaScript mas fica muito mais bonito se o ativar.

Projeto "Mana", de Joana Estrela, vence I Prémio Internacional de Serpa para Álbum Ilustrado

30/10/2015

O júri do I Prémio Internacional de Serpa para Álbum Ilustrado escolheu como obra vencedora o projeto “Mana”, da autoria de Joana Estrela.

O Júri apreciou particularmente o universo visual da obra, a sua espontaneidade e coerência, e também o modo como textos e imagens cooperam, adaptando-se e complementando-se, em estreita harmonia, ao serviço das mensagens e do próprio livro.

O júri considerou o projeto “Mana” um bom exemplo da vertente camaleónica que os álbuns ilustrados podem assumir, ao revelar a capacidade de absorver uma grande variedade de linguagens, tanto ao nível das imagens como das palavras. De salientar que este projeto não integra uma narrativa tradicional, como é mais habitual em livros ilustrados, mas um texto com as características de uma carta — neste caso em concreto, uma pequena carta, quase um recado, escrita pela irmã mais velha e dirigida à mais nova; também no que diz respeito às ilustrações, a autora experimenta uma série de registos, que vão desde o traço fino sem utilização de cor, a páginas mais trabalhadas, nas quais é a própria personagem mais nova que intervém a nível gráfico, intrometendo-se nas imagens, alterando-as, e passando, deste modo, a fazer parte da “história” de um modo pouco habitual.
A nível do conceito (ou ideia) do projeto, foi destacada precisamente a originalidade dessa presença invisível, o modo como a autora trouxe para as páginas uma personagem que consegue estar presente de uma forma “gráfica”, umas vezes de modo mais subtil, outras de modo mais descarado (riscando, pintando, colando autocolantes sobre as páginas criadas pela própria irmã). O júri considerou interessante o modo como a voz da irmã mais velha se cruza com a presença desta mais nova, num jogo bem humorado que é, às vezes, de conflito, outras se aproxima do diálogo e outras, ainda, revela a ternura e cumplicidade que une as duas personagens.
Não sabendo se o livro terá um componente autobiográfica verdadeira, considerou-se, de qualquer modo, que a autora foi capaz de construir um ambiente narrativo credível e, com delicadeza e vivacidade, foi também capaz de criar (ou revelar) a relação de proximidade entre as duas personagens. O texto curto, coloquial, com sentido de humor, contribuiu de modo eficaz para essa construção, assim como o universo gráfico da autora, depurado e aparentemente simples, mas revelador de um trabalho consistente e de um potencial narrativo que o torna merecedor de publicação.

O Júri foi constituído por Kitty Crowther, Isabel Minhós Martins (em representação da editora Planeta Tangerina) e Paula Estorninho (em representação do Município de Serpa).

{ARQUIVO DE NOTÍCIAS}